Foi encontrada uma Gigantesca Onda de Calor no espaço

Espaço para se discutir novidades na área bem como se atualizar notícias a respeito do espaço ou descobertas afins
Avatar do usuário
Xevious
Administrador
Administrador
Mensagens: 9562
Registrado em: 28 Abr 2009, 01:12
Fale sobre voce: Sou feito de atomos
Gender:
Brazil

Foi encontrada uma Gigantesca Onda de Calor no espaço

Mensagempor Xevious » 17 Out 2017, 00:48

Uma onda de gás ultra-quente duas vezes tão grande como a Via Láctea foi encontrada Ondulado Através do Espaço

Imagem

Os cientistas encontraram uma enorme onda de ondulação de gás ultra-quente através do aglomerado de galáxia Perseus nas proximidades . E quando dizemos enormes, queremos dizer um gigante realmente louco.

Em cerca de 200 mil anos-luz - o dobro do tamanho da nossa própria galáxia da Via Láctea - os pesquisadores suspeitam que seja a maior onda já descoberta no Universo conhecido, e é provável que esteja passando pelo espaço por bilhões de anos.

A onda é um tipo de onda Kelvin-Helmholtz , que ocorre quando dois fluidos que viajam a diferentes velocidades se movem um para o outro. O exemplo mais familiar são as belas ondas de curling que caem sobre eles na praia como resultado do sopro de vento através da superfície do oceano.

Mas as ondas de Kelvin-Helmholtz também foram descobertas pulsando em nossa atmosfera , e até foram manchadas em outros planetas e na superfície do nosso próprio Sol .

Usando dados do Observatório de raios-X de Chandra da NASA, os pesquisadores agora encontraram evidências do exemplo mais maciço de uma dessas ondas até o momento.

O conjunto de galáxias de Perseus está localizado na constelação de Perseus, a cerca de 240 milhões de anos-luz de distância, e tem cerca de 11 milhões de anos-luz, constituído por uma série de galáxias cercadas por uma vasta nuvem de gás quente abrasador que é tão quente que só brilha em raios-X.

Ao estudar imagens de raios-X do cluster de Perseus, os pesquisadores viram algo estranho - uma estranha forma de "baía" que continuava aparecendo sem qualquer origem clara.

No início, eles pensaram que poderia ter algo a ver com um buraco negro na região, mas usando dados do Observatório de raios X da Chandra da NASA, combinados com observações de rádio e simulações de computador, os cientistas descobriram agora que essa forma de "baía" é realmente um gigante onda.

"Nós pensamos que a característica da baía que vemos em Perseus é parte de uma onda de Kelvin-Helmholtz, talvez a maior ainda identificada", disse o pesquisador principal Stephen Walker , do Goddard Space Flight Center da NASA.

Como se forma uma onda gigante?

Com base em suas simulações computacionais, a equipe sugere que há bilhões de anos, o conjunto de galáxias foi instalado, com uma região central mais fria de gás atingindo temperaturas em torno de 30 milhões de graus Celsius (54 milhões de graus Fahrenheit), cercada por uma área com gás três vezes mais quente.

Mas, em seguida, um conjunto de galáxias menores parece ter passado após Perseus, espalhando essas duas regiões juntas como o creme agitado em café, criando uma espiral em expansão de gás frio.

https://www.youtube.com/watch?v=Yu1yF1z7Ins

Durante os próximos 2.5 bilhões de anos, os pesquisadores prevêem que o gás se espalhe por cerca de 500 mil anos-luz do centro do cluster, criando ondas maciças que rolam as bordas por centenas de milhões de anos antes de se dissiparem.

"Perseus é um dos mais maciços clusters nas proximidades e o mais brilhante dos raios-X, então os dados Chandra nos fornecem detalhes incomparáveis", disse Walker .

"A onda que identificamos está associada ao flyby de um cluster menor, o que mostra que a atividade de fusão que produziu essas estruturas gigantes ainda está em andamento".

Obter mais informações sobre como as ondas em aglomerados de galáxias, como a forma de Perseus, evoluem, não apenas nos ajudam a entender o nosso Universo, mas também permite aos pesquisadores ter uma idéia da força do campo magnético do cluster.

Se fosse muito fraco, a onda seria muito maior do que a que vemos hoje. Se fosse muito forte, não se formaria.

A pesquisa foi publicada em Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.
Conheça o site Tele-Tudo e compre o que precisar, por tele-entrega


  • Tópicos Semelhantes
    Respostas
    Exibições
    Última mensagem

Voltar para “AstroFisica”

Quem está online

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 2 visitantes